PROGRAMA BALADA DA FADA

domingo, 15 de agosto de 2021

Esclerose Múltipla: Os mistérios acerca da doença e os avanços pós diagnostico


Apesar de componentes autoimunes e degenerativos, é possível viver com a doença controlada.


Receber o diagnóstico de uma doença autoimune, crônica e progressiva pode soar assustador para o paciente no primeiro momento, porém, não significa que não seja possível viver bem. Embora a causa do surgimento da Esclerose Múltipla (EM) e consequentemente sua cura sejam desconhecidas, a medicina tem avançado muito nos últimos anos e garantido muito mais qualidade de vida para os portadores da doença.

De acordo com o Dr. Mateus Boaventura, neurologista do Hospital Sírio Libanês e especializado no tratamento de pessoas diagnosticadas com Esclerose Múltipla, os mecanismos principais da doença envolvem a perda da bainha de mielina - um material adiposo que reveste os neurônios- responsável pela condução normal e rápida de mensagens elétricas entre o cérebro e o corpo, além da perda da própria “fibra nervosa” ou axônio, que é o prolongamento do neurônio (mecanismo degenerativo). Essas reações do organismo causam interferências na comunicação entre o corpo e o cérebro. Assim, qualquer sintoma neurológico pode surgir na forma dos chamados “surtos” ou de uma progressão lenta. Infelizmente, ao longo do tempo as lesões podem causar danos irreversíveis em áreas específicas do corpo. Por essa razão, a necessidade de um diagnóstico precoce é fundamental.

Segundo o neurologista, o acesso a informação é de extrema importância para o tratamento e a prevenção de danos mais severos no sistema nervoso. “Veja bem, por se tratar de uma doença crônica, autoimune e progressiva, porém tratável, o quanto antes é descoberta, mais fácil torna-se prevenir o acúmulo de novas lesões e incapacidade neurológica. O problema das formas mais agressivas está no diagnostico tardio” – explica Dr. Mateus.

As campanhas de conscientização são de extrema importância para conhecimento da população. Ao longo do mês de agosto é celebrado o “Agosto Laranja”, uma campanha dedicada à doença, abordando sintomas, diagnóstico precoce, estratégias para melhorar a qualidade de vida, tratamentos, entre outros desafios enfrentados pelos portadores da EM. Algumas pessoas podem não apresentar sintomas por quase toda a vida, enquanto outras lidam com sintomas crônicos graves que nunca desaparecem, por isso a importância da informação para os já diagnosticados, os que não possuem a doença e os que sentem os sintomas e não sabem que são possíveis portadores. “Pode haver um acúmulo de sequelas, se não houver um diagnóstico e tratamento precoce. O diagnóstico envolve uma avaliação detalhada da história dos sintomas, exame neurológico e exames complementares: realização de ressonância magnética, estudo do líquor (punção lombar) e exames laboratoriais para descartar outras doenças – afirma”.

De acordo com o Dr. Mateus Boaventura, cerca de 85% dos casos da doença manifestam-se na forma de surtos que podem durar dias ou até semanas. É importante ressaltar que os sintomas, gravidade e duração dos surtos variam muito de pessoa para pessoa. Entre os sintomas estão embaçamento visual com dor ao mover os olhos, visão dupla, fraqueza e formigamento, comprometimento da coordenação motora, falta de equilíbrio, entre outros por mais de 24h. “Muitas vezes o paciente sente um dos sintomas e procura outras especialidades médicas, que nem sempre identificam a necessidade de uma investigação neurológica. O ideal é que sentindo algum dos sintomas pelo período citado, a pessoa procure auxílio médico, seja diretamente um neurologista, ou sendo encaminhado por outros colegas” – alerta Dr. Mateus.

Apesar da causa desconhecida, acredita-se que a doença seja considerada multifatorial. Diversos estudos sugerem que a EM ocorre em pessoas com uma predisposição genética, em que a interação com fatores ambientais pode desencadear um processo autoimune. Alguns fatores são a falta de Vitamina D, a infecção pelo vírus da mononucleose infecciosa (vírus Epstein Barr), o tabagismo e a obesidade.

Antes de 1993 não havia nenhum tratamento eficaz aprovado. Hoje, felizmente, existem mais de 10 opções de tratamento para frear doença, principalmente em sua forma remitente-recorrente. São desde drogas autoinjetáveis, orais ou venosas. Para a forma primariamente progressiva, existe um tratamento venoso recentemente aprovado, nos últimos 4 anos. Cada opção de tratamento possui um grau de eficácia e um perfil de efeitos adversos. A escolha é individualizada. O objetivo do tratamento é prevenir novos surtos, novas lesões e o acúmulo de incapacidade.

Ainda não existe um controle 100% da doença. Entretanto, após 28 anos da primeira terapia aprovada, a história e o prognóstico de pacientes com esclerose múltipla melhorou significativamente! Felizmente, um grande percentual destes pacientes pode não evoluir mais para incapacidade neurológica importante, e ter uma boa qualidade de vida, caso recebam um diagnóstico e um tratamento precoces.


Sobre Dr. Mateus Boaventura de Oliveira

Médico Neurologista do HC-FMUSP, Hospital Sirio Libanês e H. Albert Eisntein. Realizou fellow clínico e pesquisa em Esclerose Múltipla em Barcelona -Cemcat- Hospital Vall d’Hebron. Possui título de especialista pela Academia Brasileira de Neurologia e é Membro da Academia Americana de Neurologia. Atualmente realiza pesquisas científicas e acompanha diversos pacientes com EM.


O Dr. Mateus Boaventura ainda mantém canais dedicados à disseminação de informações sobre a EM e outras doenças neurológicas de maneira bastante didática.

Para entender melhor sobre a Esclerose Múltipla e conhecer o trabalho do Dr. Mateus Boaventura, acesse:

Instagram: @drmateusboaventura

www.youtube.com/Dr Mateus Boaventura

Facebook: @drmateusboaventura


Reumatologia e Agosto Dourado: planejar o ato de amar

No mês dedicado a amamentação, especialista orienta sobre os cuidados necessários para que mulheres com doenças reumatológicas preparem-se para um dos atos mais importantes que ligam a mãe a um filho.

Agosto Dourado é dedicado à amamentação, porém quando as mulheres estão em tratamento para doenças reumatológicas, é necessário prever alguns cuidados com a saúde da mãe e do bebê.

Diferente do que muitos pensam, o reumatismo não acomete apenas idosos. Muitas doenças como a artrite reumatoide (AR), o Lúpus e a Espondilite Anquilosante ocorrem frequentemente em indivíduos jovens em idade fértil.

Ouvimos frequentemente, “o que esperar, quando se está esperando”, e o universo das pacientes com doença autoimune é muito maior, pois além de entender todo o processo, precisam planejar a gravidez para que esta ocorre sem complicações.

Para que as mulheres possam se programar e tenham informações corretas, a especialista da Cobra Reumatologia, Jaqueline Lopes, fala sobre os principais cuidados e medidas necessárias.

Cada doença tem um perfil diferente na gravidez. Enquanto o Lúpus tende a piorar durante a gestação ou no período pós-parto, a Artrite Reumatóide tende a não agravar e a maioria das mulheres sente-se melhor das dores relacionadas com a doença. Já nas Espondiloartrites os efeitos são variados, mas a tendência também é que melhore com a gestação e piore no período pós-parto.

Algumas medicações devem ser interrompidas antes da paciente engravidar e por vezes, é preciso esperar até 2 anos para se ter uma gravidez segura após a suspensão, como é o caso do leflunomida.

O risco em deixar a doença materna sem tratamento durante o período da gestação ou amamentação deve ser considerado versus o potencial efeito da droga sobre o feto/ recém-nascido.

De uma maneira geral podem ser usados nesse período: Antiinflamatórios não esteroidais (AINEs); Aspirina; Hidroxicloroquina; Sulfassalazina, Azatioprina e Ciclosporina. Em relação aos imunobiológicos alguns já foram liberados para uso durante toda gestação/amamentação enquanto outros são recomendados apenas por um período de tempo determinado.

Atenção: em relação aos Corticoides, depois da dose da medicação, deve ser descartado o leite materno nas primeiras quatro horas; Sulfassalazina (SSZ) pode ser usada apenas por mães de bebês saudáveis.

Contra-indicados: Metotrexato, Talidomida, Ciclofosfamida, Micofenolato Mofetila, Belimumabe e Leflunomida.

As pacientes reumáticas devem seguir as orientações de seus médicos para amamentar ou não o bebê. Tudo depende da medicação que cada uma toma.

Como o relógio da mulher dá as caras bem cedo, a doutora recomenda que mulheres acima de 35 anos com desejo de engravidar, dependendo da doença, sejam avaliadas por um especialista em fertilização e discutam a possibilidade de congelação de óvulos.

Atenção ao SAAF gestacional: a Síndrome do Anticorpo Antifosfolipídeo (SAAF) é uma desordem autoimune, caracterizada pela presença de anticorpos antifosfolipídeos. As consequências na gravidez podem ser: trombose, parto prematuro e aborto espontâneo. é necessário um acompanhamento multiprofissional adequado e, assim, permite que de 70% a 80% das gestantes nessas condições venham a ter uma gravidez segura.

Sobre a Dra. Jaqueline Lopes: Graduada em Medicina pela Universidade Federal do Mato Grosso (2001), Jaqueline Barros Lopes tem residência em Clínica Médica (HUJM), residência em Reumatologia (FMUSP), é especialista pela Sociedade Brasileira de Reumatologia e tem Doutorado em Reumatologia com ênfase em Osteoporose (FMUSP). Hoje, é diretora cientifica da renomada Cobra Reumatologia.

sexta-feira, 6 de agosto de 2021

O que o cuidado bucal tem a ver com o desempenho de atletas?

Entenda como a saúde bucal interfere na performance dos esportistas





Em tempos de Jogos Olímpicos, ao acompanhar diversas competições com atletas de alto nível de performance, é comum pensar que seu preparo se limita apenas ao condicionamento físico e técnico.

Para um bom rendimento do atleta, o corpo em sua totalidade precisa estar saudável, sendo importante o acompanhamento de uma equipe multidisciplinar. Um dos profissionais que integram essa equipe é o cirurgião-dentista.

“A saúde bucal do atleta reflete diretamente na saúde geral que, por sua vez, interfere diretamente em seu rendimento esportivo. Os riscos da não realização de um tratamento odontológico adequado flutua desde doenças respiratórias, comprometimento articular e muscular, dor de dente, dores na articulação temporomandibular, respiração bucal, mastigação inadequada, todos repercutindo sistematicamente no organismo do atleta”, comenta a Dra. Neide Pena Coto, cirurgiã-dentista, presidente da Câmara Técnica de Odontologia do Esporte do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP).

A má posição da mandíbula, por exemplo, é capaz de interferir no equilíbrio durante a prática esportiva. A mandíbula é a primeira cintura do nosso corpo. A segunda é a pélvica e a terceira a escapular. Então, se a mandíbula tiver algum tipo de desequilíbrio, consequentemente o corpo buscará compensar, o que a médio e longo prazo, pode causar lesões.

“Quando o atleta não realiza visitas periódicas ao cirurgião-dentista ele também pode ficar suscetível à cárie ou lesões cervicais não cariosas. Outra coisa, caso o atleta não utilize o protetor bucal individualizado (confeccionado por seu cirurgião-dentista) ele fica exposto a choques e colisões podendo fraturar dentes e ossos da face”, exemplifica.

Outro fator relevante que interfere diretamente no desempenho do atleta é a rotina alimentar. “É preciso ter cuidado com a ingestão de suplementos, isotônicos, repositores, e até água com limão, pois podem interferir maleficamente na saúde bucal”.

Odontologia do Esporte

A parceria entre a Odontologia e o esporte já é bastante antiga. O primeiro registro conhecido é de 1890, no Reino Unido, por meio do trabalho do cirurgião-dentista Woolf Krause, que criou um dispositivo à base de substância vegetal, similar ao látex para proteção dos dentes superiores da boca dos boxeadores, chamado de guta-percha.

Em 1913, seu filho Philllp Krause fabricou um protetor bucal, exclusivamente para o boxeador Ted “Kid” Lewis, também com a finalidade de proteção dos tecidos bucais durante o combate, mas com a vantagem de ser reutilizável. O primeiro trabalho relacionado à Odontologia do Esporte no Brasil foi durante a Copa do Mundo de Futebol, na Suécia, em 1958, elaborado pelo então cirurgião-dentista da Seleção Brasileira de Futebol, Dr. Mario Trigo. O Brasil foi o único país que levou um cirurgião-dentista e um psicólogo nesta competição, demonstrando a preocupação em proporcionar uma estrutura completa para seus atletas. Trigo também acompanhou a equipe em 1962, 1966 e 1970.

A Odontologia do Esporte foi reconhecida como uma nova especialidade na Odontologia brasileira em 2015, por meio da Resolução Nº160 do Conselho Federal de Odontologia (CFO).

Sobre o CROSP


O Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP) é uma autarquia federal dotada de personalidade jurídica e de direito público com a finalidade de fiscalizar e supervisionar a ética profissional em todo o Estado de São Paulo, cabendo-lhe zelar pelo perfeito desempenho ético da Odontologia e pelo prestígio e bom conceito da profissão e dos que a exercem legalmente. Hoje, o CROSP conta com mais de 145 mil profissionais inscritos. Além dos cirurgiões-dentistas, o CROSP detém competência também para fiscalizar o exercício profissional e a conduta ética dos Técnicos em Prótese Dentária, Técnicos em Saúde Bucal, Auxiliares em Saúde Bucal e Auxiliares em Prótese Dentária. Mais informações: www.crosp.org.br


domingo, 30 de maio de 2021

Campanha do Agasalho da Cruz Vermelha São Paulo começa em 31/5 e terá Ticiane Pinheiro como madrinha da ação pelo segundo ano consecutivo

Cobertores e agasalhos serão arrecadados nos locais de coleta e na sede da CV/SP, assim como alimentos não perecíveis e produtos de higiene pessoal e limpeza, requeridos por conta do agravamento da pandemia

A 13ª edição da Campanha do Agasalho da Cruz Vermelha São Paulo (CV/SP) começa em 31/5 e contará com o carisma da apresentadora Ticiane Pinheiro, madrinha da ação pelo segundo ano consecutivo. Assim como ocorreu em 2020, a campanha terá características especiais para a prevenção contra a Covid-19.

Além de agasalhos e cobertores em bom estado, estão sendo solicitados produtos que possam ajudar as famílias necessitadas durante a pandemia, como itens de higiene pessoal (sabonetes, escovas e pastas de dentes, xampus e condicionadores, álcool em gel e máscaras), alimentos e produtos de limpeza em geral.

"Os itens usados, como roupas e cobertores, ficarão armazenados em uma espécie de "quarentena" até serem encaminhados para as 118 Ongs cadastradas junto à entidade para o recebimento das doações", detalha Bruno Semino, diretor executivo da Cruz Vermelha São Paulo, a respeito dos cuidados adicionais que estão sendo tomados por conta do coronavírus.

Mesmo aliando o trabalho e os cuidados com a família, Ticiane aceitou o convite da CV/SP com alegria e garante que "vestirá o colete" para que a campanha tenha muito sucesso.

"É uma enorme honra ter sido escolhida novamente como madrinha da Campanha do Agasalho 2021. Fazer parte dessa corrente do bem e poder ajudar quem mais precisa, principalmente após o agravamento da pandemia, é algo que me deixa muito feliz. Somente por meio da solidariedade vamos conseguir fazer a diferença na vida de milhares de pessoas que se encontram em situação de vulnerabilidade social e que tem de enfrentar o frio de São Paulo e, ainda, a Covid-19 e seus reflexos", afirma Ticiane.

O presidente da CV/SP, Jorge Wolney Atalla Jr., destaca a disposição e a determinação da apresentadora em ficar à frente da campanha pelo segundo ano consecutivo. "Sabemos de sua seriedade e comprometimento, além do carisma, que são fatores fundamentais para atrair as doações. Tê-la conosco em 2020 trouxe resultados muito positivos e certamente esse sucesso nas arrecadações se repetirá neste ano. Só temos a agradecer", diz.

Esta é a 13ª campanha promovida pela instituição, que tem a expectativa de conseguir arrecadar mais de 35 toneladas de agasalhos, cobertores e itens de higiene pessoal e limpeza, de modo a beneficiar cerca de 30 mil pessoas que enfrentam a estação mais fria do ano. No ano passado, em meio aos desafios enfrentados por conta da pandemia, as arrecadações totalizaram 31 toneladas e foram distribuídas entre mais de 30 mil pessoas.

A gerente de Projetos Sociais da Cruz Vermelha de São Paulo, Marina Dauar, reconhece que a meta é grandiosa, mas acredita que a generosidade falará mais alto, principalmente com a queda das temperaturas na capital paulista durante o inverno. "Além do cidadão, nosso apelo também está direcionado para as indústrias e empresas que possam colaborar. Toda ajuda é bem-vinda", explica a gerente.

Pontos de coleta - A BBZ Administradora, que conta com mais de 600 condomínios em sua carteira de clientes, disponibilizará centenas de caixas de coleta em edifícios sob sua administração na Capital. Haverá, ainda, pontos de doação em farmácias das redes Droga Raia e Drogasil, além dos Shoppings Iguatemi, JK Iguatemi, Pátio Higienópolis e Market Place, em São Paulo. Para saber onde estão localizados os pontos de arrecadação, basta acessar o https://www.aquecesp.org.br ou checar no próprio site da Cruz Vermelha https://cruzvermelhasp.org.br/agasalho. Todos os itens arrecadados nestes locais serão distribuídos entre as ongs cadastradas junto à entidade.

Kit inverno - O início da Campanha do Agasalho será marcado pela entrega do "Kit inverno" com casaco, cachecol, itens de higiene pessoal e chocolate para moradores de rua do centro de São Paulo, atendidos pela Pastoral do Povo de Rua, coordenada pelo padre Júlio Lancelotti. Essa ação é decorrente de uma arrecadação de 40 toneladas de roupas feita pela GRU Airport, empresa que administra o Aeroporto de Cumbica, e repassada recentemente à Cruz Vermelha São Paulo. A entidade disponibilizará as peças para as ações empreendidas pelo religioso.

Sobre a Cruz Vermelha São Paulo - Fundada em 1912, a Instituição atua como parte de um movimento humanitário mundial em benefício das pessoas em situação de vulnerabilidade ou envolvidas em desastre e situações de risco, como a atual crise sanitária que atinge o País e o mundo. A CV/SP auxilia 118 ONGs e lideranças comunitárias com doações de alimentos, roupas e calçados, além de promover ações nas áreas de saúde, educação e comemorações, como as ações de Páscoa e de Natal. Os interessados podem colaborar acessando o site ou levando as doações diretamente para a entidade, localizada na Avenida Moreira Guimarães, 699, Indianópolis.


domingo, 22 de novembro de 2020

Entenda quais exames uma mulher de 40 anos deve fazer

*Por Rodrigo Ferrarese


Ter a mamografia em dia é fundamental, mas outros exames são igualmente importantes para diagnosticar precocemente, acompanhar e prevenir também outras doenças. Não precisamos estar necessariamente em outubro para que você saiba que a mamografia é um dos exames que a mulher, ao chegar aos 40 anos, deve fazer. Mas e quanto aos outros?

Falar sobre exames está ligado diretamente a prevenção, algo que devemos ter em mente sempre, além do outubro Rosa, mas durante todo o ano!

Apesar do câncer de mama ser o mais frequente nas mulheres (depois do câncer de pele), a atenção não deve estar focada somente para este tipo. Outras ocorrências também são bem comuns, como por exemplo, aqueles que acometem o colo do útero, do estômago e do intestino.

A mamografia é só um dos exames

Porém, não se atentar para essas doenças, ter a mamografia em dia e, de repente, passar por um infarto agudo ou um acidente vascular cerebral (AVC). Isso porque todas se assustam com essas doenças mais temerosas, mas não se preocupam para a principal causa de morte no mundo: as doenças cardiovasculares.

Com a finalidade de orientar sobre os cuidados com sua saúde, trago alguns dos exames mais importantes aos quais a mulher de 40 deve ser submetida, além da mamografia.

Claro que a escolha dos procedimentos só deverá ocorrer após uma avaliação clínica individual. Assim, trago apenas algumas sugestões para esclarecer a importância de cada um deles.

Estes são os exames mais importantes

O exame colpocitológico, conhecido como papanicolaou, é fundamental para diminuir a incidência do câncer do colo uterino. Ele detecta algumas alterações nesta região antes de elas virarem câncer. Hoje, existem algumas opções mais modernas de exames, como a captura híbrida de HPV e a genotipagem do HPV, cujas intenções são similares, mas o bom e velho “papa” já ajuda bastante!

Para as mulheres de 40 que já entraram na menopausa, exames como a densitometria óssea são importantes para identificar alterações na composição do osso, como por exemplo osteopenia ou osteoporose. Com isso, é possível realizar um acompanhamento melhor para evitar fraturas na terceira idade. Ainda para aquelas no climatério, um perfil hormonal ajuda a entender melhor essa fase e como é possível aliviar melhor seus sintomas.

Outro exame que pode ser solicitado nessa faixa etária, sendo mais comum esse tipo de solicitação ocorrer para pacientes após os 50 anos, é a colonoscopia. Através deste procedimento é possível localizar lesões, como pólipos intestinais que caso não forem retirados, podem causar o câncer colorretal. Uma alternativa mais fácil, porém, não a ideal, é a pesquisa de sangue oculto nas fezes.

Fique atenta também aos exames laboratoriais

Alguns exames laboratoriais são fundamentais, como por exemplo, a glicemia (para diagnosticar diabetes) e colesterol total e suas subdivisões. Quando há diabetes ou dislipidemia, o risco de doença cardiovascular aumenta.

Para as fumantes, indica-se fazer um Raio-X do tórax, que permitirá visualizar possíveis alterações pulmonares. Já para as portadoras de diabetes, dislipidemia ou hipertensão, entre os exames a serem feitos deve estar um eletrocardiograma, que permite checar como está o coração.

As ultrassonografias, incluindo a transvaginal, não são indicadas de rotina. No entanto, se forem feitas, permitem uma avaliação da área em específico, sem riscos associados ao exame. Mas, atenção: o ultrassom de mamas não substitui a mamografia!

Tanto para o câncer como para as doenças cardiovasculares, o mais importante é a prevenção primária. Já está comprovado que uma vida saudável, com sono em dia, atividades físicas constantes e alimentação adequada podem afastar essas enfermidades. Além, claro, de cessar o tabagismo.

É muito mais difícil tratar uma doença quando ela aparece. Assim, vamos cuidar de suas causas para dificultar o seu aparecimento. E fazer exames para acompanhar e identificar qualquer anomalia precocemente.

Sobre Dr. Rodrigo Ferrarese

O especialista é formado pela Universidade São Francisco, em Bragança Paulista. Fez residência médica em São Paulo, em ginecologia e obstetrícia no Hospital do Servidor Público Estadual. Atua em cirurgias ginecológicas, cirurgias vaginais, uroginecologia, videocirurgias; (cistos, endometriose), histeroscopias; ( pólipos, miomas), doenças do trato genital inferior (HPV), estética genital (laser, radiofrequência, peeling, ninfoplastia), uroginecologia (bexiga caída, prolapso genital, incontinência urinaria) e hormonal (implantes hormonais, chip de beleza, menstruação, pílulas, Diu...). Mais informações podem ser obtidas pelo canal no YouTube e também pelo Spotify -https://linktr.ee/dr.rodrigoferrareseA



domingo, 8 de novembro de 2020

Clara Phileto fala sobre pressão estética nas redes sociais: "Perfeição não existe"

Ela ressaltou a importância dos movimentos que estimulam autoaceitação e autoestima feminina


A influenciadora, advogada e sommelier, Clara Phileto falou sobre agravamento da pressão estética pelas redes sociais e ressaltou a importância de movimentos que buscam aumentar autoestima das mulheres. Ela contou que não é refém dos padrões de beleza, que são cada vez mais inatingíveis.

“Eu nunca tive problemas com pressão estética nas redes sociais, sempre lidei muito bem com isso. Acho que tem dias que não nos sentimos tão bonitas, a pele não acorda tão viçosa, e isso é normal”, contou.


Ele também confessou que não enxerga problemas em fazer pequenos retoques em fotos antes de publicar nas redes sociais.

“Quando sinto insegurança com relação a algo, não vejo problema em fazer leves retoques. Mas, nada de exageros. Já apaguei várias vezes marcas de picadas de muriçoca (pernilongo) das minhas pernas. Moro perto do mar e as vezes estou cheia delas”, disse a influenciadora baiana

Clara ressaltou a importância dos movimentos que visam aumentar a autoaceitação e autoestima feminina através das redes sociais.

“Eu acho o máximo que existam movimentos que estimulem a autoestima das mulher. Por mais que as vezes caia na tentação de usar um filtro ou um pouco mais de maquiagem, sempre acho que o natural é mais bonito.
Confesso que também acho incrível esse culto à naturalidade pois mostra a tantas mulheres que a perfeição não existe. E não existe mesmo”, pontuou.

***

sábado, 7 de novembro de 2020

Mauricio de Sousa Produções lança vídeo inédito no Festival do Japão

"Laços de Amizade" será exibido durante a live do evento no próximo sábado (07)


A história de parceria do Japão com o Brasil teve início há mais de um século, em 1908, quando imigrantes japoneses chegaram ao país para trabalhar nas fazendas de café em São Paulo. Pouco mais de 90 anos depois, alguns de seus descendentes começaram a voltar para o Japão. Hoje, segundo dados do Consulado-Geral do Brasil em Tóquio e Itamaraty (2017), estima-se que o número de brasileiros no Japão ultrapasse 196 mil, ficando atrás apenas de China, Coreia, Vietnã e Filipinas como principal origem de imigrantes.

A fim de colaborar com a inclusão de crianças estrangeiras no Japão de um jeito leve e divertido, a Turma da Mônica auxilia os pequenos de famílias de decasséguis (aqueles que migraram para o país em busca de trabalho) nessa etapa de adaptação e integração.

Para isso, a MSP lança o vídeo “Laços de Amizade” durante a Live do Festival do Japão, que será realizada sábado, dia 7 de novembro, a partir das 19h, pelo canal do Youtube. A animação, que conta com participações especiais de Fabio Brazza; Guilherme Briggs; Joe Hirata; Julio Henrique Bogajo; Lucas Araujo; Mariana Chiuso e Ricardo Cruz, será lançada no Brasil e no Japão nos dois idiomas.

Além do curta, os fãs da Turma da Mônica poderão receber outro presente! Os participantes do concurso de cosplay concorrerão a um desenho feito à mão e autografado pelo próprio pai da turminha, Mauricio de Sousa. Já imaginou poder enquadrar e guardar pra sempre essa exclusividade? Que tal separar seu melhor look? Boa sorte!

Segundo Mauricio de Sousa, essa parceria de tantos anos contribui para fomentar a busca por conhecimentos sobre essa cultura tão rica, além de reforçar a importância da promoção de uniões entre os povos. “Há 60 anos a Turma da Mônica preza pela amizade multicultural. E queremos que continue assim!”, pontua.

Graças a essa parceria que ultrapassa fronteiras, a Mauricio de Sousa Produções pôde trazer um pouco da cultura japonesa para suas histórias e levar um pouco de Brasil pra lá! Exemplos disso foram a concepção da estética da Turma da Mônica Jovem, baseada em mangás, o cross com a Hello Kitty e outro com Astroboy, mostrando que a distância, a diferença de fuso horário e linguagem não são limites para uma grande amizade.

Serviço

Live Festival do Japão
Data: 7 de novembro
Horário: 19h
Link: www.YouTube.com/festivaldojapao

Sobre a Mauricio de Sousa Produções

A Mauricio de Sousa Produções é uma das maiores empresas de entretenimento do Brasil, responsável por uma das marcas mais admiradas do país, a Turma da Mônica. A MSP investe em inovação e produz conteúdos em todas as plataformas com a mais alta tecnologia, alinhando educação, cultura e entretenimento. A empresa é signatária dos princípios de empoderamento das mulheres, plataforma da ONU Mulheres e Pacto Global. No licenciamento, trabalha com 150 empresas que utilizam seus personagens em mais de 4 mil itens. A presença da marca na plataforma Youtube já passou de 13 bilhões de views, sendo a maior audiência para Mônica Toy, conteúdo desenvolvido exclusivamente para esta plataforma; além do engajamento e interações orgânicos com os fãs em mídias sociais. Na área editorial, possui um dos maiores estúdios do setor no mundo, com 400 títulos de livros e mais de um bilhão de revistas vendidas, ambos responsáveis pela alfabetização informal de milhões de brasileiros.

Sobre o Festival do Japão

O Festival do Japão é realizado pela Federação das Associações de Províncias do Japão no Brasil (KENREN), entidade que reúne as 47 associações de províncias do Japão no Brasil. O evento mantém o espírito de divulgar a cultura e tradições japonesas e também auxiliar às entidades assistenciais. Ao longo de um processo de 23 anos de muito esforço e dedicação, o Festival do Japão tornou-se um megaevento tradicional, que faz parte do calendário oficial de eventos da cidade e do estado de São Paulo, sendo o maior festival de cultura japonesa do Brasil.

***